Assembleia cheia

Os servidores reunidos em assembleia ontem (20/02) resolveram REJEITAR a primeira proposta apresentada oficialmente pelo governo.

ATO DE ENTREGA DA REJEIÇÃO DA PROPOSTA:
HOJE (21/02) às 17h no Paço Municipal

Os trabalhadores acreditam que a proposta está muito abaixo do que o governo pode ofertar levando em conta o histórico de aumento nas Receitas do município e a sequencia de queda no que o governo tem gasto com a folha de pagamento dos funcionários.

Veja a proposta do governo:

1) “Reposição salarial na ordem de 3,9% para incidir sobre as faixas salariais a partir de 1 de fevereiro”;
Insuficiente porque só cobre a inflação, mas não contribui em nada para recuperar nossas perdas passadas.

2) “Reajuste na cesta básica e auxílio alimentação na base de 5% a partir de 1 de fevereiro”;
A própria Prefeitura pesquisa o valor das cestas básicas em vários supermercados da região e divulga o valor médio. No último balanço publicado a média foi de R$ 405,76 (exatamente a proposta dos servidores). Com o reajuste proposto pelo governo (R$ 294) a nossa cesta vai continuar muito aquém de uma verdadeira cesta básica;

3) “Concurso público para várias áreas”;
Quais áreas? Quantas vagas? Quando?

4) “Abertura de concurso público para o IPREV”;
Quais cargos? Quantas vagas? Quando?

5) “Acréscimo de 0,5% de contribuição da Prefeitura para a CAPEP SAÚDE pelo período de 12 meses”.
Os funcionários querem essa alteração, mas não apenas por um ano. A reivindicação é que esse reajuste seja permanente para que a CAPEP não passe mais pelo que passou.

Além de REJEITAR a proposta e marcar o ato de devolutiva ao governo HOJE, a assembleia também decidiu já deixar marcado um ATO caso o governo não entregue nenhuma contra-proposta.

Esse ato será na PRÓXIMA QUINTA-FEIRA (28/02) das 15h às 18h (chegue na hora em que puder) na Praça Mauá (Centro). Caso o governo apresente alguma proposta melhor, o sindicato convocará uma assembleia.

Veja como foi o ato: