Reunião com o governo sobre a Campanha Salarial

Na reunião realizada ontem (07/02) o governo não apresentou nenhuma proposta para a CAPEP, foco principal dos servidores nessa Campanha Salarial. Segundo o Secretário de Gestão, as reivindicações sobre a autarquia serão discutidas nos próximos dias.

Com isso, os servidores presentes preferiram aguardar até terça-feira para pegar a proposta do governo por inteiro.

Mesmo assim o representante do governo comentou as demais propostas da Prefeitura:
– Reajuste da inflação (IPCA que sair de janeiro) para os salários;
– Reajuste de 5% na Cesta Básica;
– Abertura de novos Concursos Públicos, inclusive para o IPREV.

PRIORIDADE É A CAPEP

Parece que nossa CAPEP está voltando aos eixos, mas os trabalhadores ainda estão muito preocupados. E com razão: a autarquia ainda tem uma dívida de R$ 10 milhões com os fornecedores. Fora as dívidas em disputa (quando um médico ou hospital cobra determinado procedimento, mas faltou algum comprovante ou os analistas da CAPEP não aprovam o valor total) que giram em torno de R$ 3 milhões.

O governo Paulo Alexandre é o responsável direto por tudo isso. Foi ele que indicou e insistiu manter o ex-presidente, Eustázio Pereira, que fez isso tudo e ainda escondeu essas dívidas dos servidores e até dos Conselhos Administrativos.

Por isso, nessa Campanha Salarial, os servidores pedem:
Acréscimo de 0,5% da contribuição da Prefeitura para a CAPEP, a título de responsabilidade do prefeito Paulo Alexandre Barbosa pela nomeação de um presidente que gerou uma dívida de 11 milhões de reais e escondeu essa dívida dos servidores e da população;
– Que se inicie um processo de mudança na Lei, de forma que os servidores possam ter participação concreta na escolha do presidente da CAPEP Saúde;
– Que a CAPEP seja incluída no sistema de transparência da Prefeitura de Santos de forma que todos os dados da autarquia sejam efetivamente públicos;
– Apuração da produção da dívida e a devida responsabilização do ex-presidente da CAPEP, Eustázio Alves Pereira Filho.