1186078_652016558165777_1156761007_n

Hoje, no Dia do Servidor, convidamos os nossos parentes e amigos para refletir: Será que é mesmo justo como a sociedade está tratando o servidor público, os colocando como culpados pela crise econômica atual? Essas baboseiras que cansamos de escutar de “máquina inchada”, “servidor é tudo vagabundo” etc, refletem a realidade?

Você me acompanha no dia a dia, sabe o quanto eu ralo, quanto eu me esforço para melhor atender a população, não é? Pois bem, quase todos os servidores são assim: Fazem uma luta diária contra as más condições de trabalho oferecidas pelos governos de plantão, a desvalorização, enfim, damos nó em pingo d’água para manter todos os serviços dessa cidade.

Somos nós os responsáveis por TODOS os serviços públicos! Quem realiza de fato TODO o trabalho da Prefeitura de Santos! Nós, servidores públicos, que tudo produzimos, mas não recebemos de volta, nem em reconhecimento, muito menos em salário.

Estamos aqui depois de muito esforço, não fomos indicado por ninguém, nenhum conchavo com políticos ou algo parecido.

Repare, o “encostado” não é o servidor público que entrou na carreira porque ralou de tanto estudar, fez concurso público e passou. Esse ama a profissão, se dedica de corpo e alma todos os dias. Quase todos os “espertos” que estão no serviço público são cargos comissionados, que nada mais são do que cabides de empregos que os políticos empregam após os mesmo fazerem campanha eleitoral, os famosos currais eleitorais. Muitos nem aparecem no trabalho.

E, adivinha: A maioria dos membros do grupo que atualmente mais prega pelo tal de “Estado mínimo”, o MBL, está agora todo espalhado pelo Brasil com seus carguinhos comissionados.

ATAQUE CONTRA A ESTABILIDADE

A campanha contra os servidores já provocou danos. A Comissão de Constituição, Justiça (CCJ) do Senado Federal aprovou novas regras para a demissão de servidores por “insuficiência de desempenho”. O desempenho do funcionário deverá ser apurado anualmente por chefias.

A matéria ainda será analisada por outras comissões, só então segue para votação nas casas legislativas. Se passar, a regra valerá para servidores federais, estaduais e municipais.

Vamos aos fatos:

A estabilidade dos servidores nunca foi absoluta. Diferente do que é propagado, para toda falta, ato irregular, ilegal ou imoral, praticado por um servidor, há penas e sanções. Inclusive a demissão através de um processo administrativo que garante o direito de ampla defesa.

O que estão tentando impor com a nova Lei SÃO CRITÉRIOS SUBJETIVOS para essas demissões. O funcionário dependerá da boa vontade dos políticos para continuar ou não no cargo. É como antigamente, na época do coronelismo, onde o político que entrava tirava todos os trabalhadores que já estavam para colocar os seus apadrinhados. Mais ou menos isso, quem não se enquadrar com a política do novo coronel: Rua!

PARABÉNS PARA VOCÊ, SERVIDOR MUNICIPAL DE SANTOS,
QUE CARREGA ESSA CIDADE NAS COSTAS SEM O JUSTO RECONHECIMENTO!