Foto dos servidores reunidos na praça após ato

A pressão dos servidores continua dando efeito: O presidente da CAPEP, Eustázio, “pediu” exoneração do cargo ontem (30/10), pois “segundo ele, seu nome vem sendo vítima de movimentos políticos”, disse a nota da Prefeitura.

Esses “movimentos políticos” que diz a nota é a luta dos servidores de Santos (que é, sem dúvida, um movimento político).

Outra conquista arrancada pela luta dos servidores foi o governo pagar parte da dívida. Dos R$ 7.247.194,54, o governo já pagou segunda-feira (29/10) R$ 2,2 milhões e promete pagar R$ 2,5 milhões em novembro e os outros R$ 2,5 milhões em dezembro (além da contribuição patronal desses meses).

Sobre a transparência das contas da CAPEP, o Secretário de Finanças propôs uma reunião dos servidores com a equipe dele, mais a Secretaria de Comunicação para analisar a melhor forma de deixar públicas as informações que não estão disponíveis atualmente nem mesmo para a Comissão de Fiscalização da autarquia.

Já a reivindicação dos servidores de alterar o estatuto da CAPEP para poder participar da indicação do presidente não foi debatida pelo governo. Porém, isso não impede que a categoria proponha um nome para o cargo e pressione o prefeito para que aceite.

Todas essas questões serão debatidas em assembleia que será chamada em breve pelo sindicato.

Veja na íntegra a reunião do governo com os servidores eleitos em assembleia:

VAMOS À AUDIÊNCIA PÚBLICA, MAS SEM ILUSÕES

O SINDSERV comparecerá na audiência pública que irá discutir a atual situação da CAPEP. Porém, não podemos ter ilusão nenhuma nesse espaço chamado por vereadores da base aliada do governo.

O que tem dado resultado é a mobilização dos servidores cobrando diretamente o governo e não a terceirização da luta para qualquer político ou instituição.

A audiência pública acontece HOJE (31/10) a partir das 18h30 na Câmara Municipal.