Foto do ato

A pressão dos servidores têm surtido efeito, durante o ato de ontem (11/05) o secretário de gestão anunciou que o governo devolverá os descontos já realizados relativos às folgas e descansos remunerados e não descontarão mais esses dias nas próximas parcelas.

O secretário também deu sua palavra de que os descontos não serão encavalados. Ou seja, a segunda parcela do desconto de março não será feita no mesmo mês que for feito o desconto do segundo período da greve (de 26/03 a 19/04).

Outro pedido dos servidores que foi compromissado pelo secretário foi o de se reunir “o mais breve possível” com o sindicato e o secretário de finanças para discutir todos os problemas gerados pelo governo de descontos indevidos e definir como serão feitos nos próximos pagamentos.

O secretário orientou que as pessoas questionassem suas dúvidas através de processo administrativo no Poupatempo. Se houve algum desconto indevido, entre com o requerimento e mande uma cópia para o sindicato.

Todo esse transtorno foi causado pela intransigência do governo e poderia ter sido evitado. Ao término da greve os servidores reivindicaram a reposição dos dias parados. Se o governo pensasse na população e não em punir quem se mobiliza, aceitaria a reposição.