Banner do evento (Foto: Ailton Martins)

O Comitê Popular de Santos por Verdade, Memória e Justiça convida a todos(as) para mais um ato de memória e reflexão em homenagem aos trabalhadores que estiveram presos no navio Raul Soares, bem como a seus familiares e amigos.

24/04 (terça-feira), 18h, na Estação das Barcas (atrás da Alfândega)

O ato contará com apresentação de música ao vivo e a participação das companheiras dos combatentes da luta pela democracia.

O evento será realizado no sítio de consciência RAUL SOARES NUNCA MAIS e será um momento de memória e verdade “para que o ocorrido não seja esquecido e que nunca mais aconteça”.

O QUE FOI O NAVIO RAUL SOARES ?

Há 54 anos, o navio-prisão “Raul Soares” atracava no porto de Santos e recebia os primeiros presos políticos.

Essa embarcação foi usada pelos militares nos meses iniciais da ditadura, para servir como presídio e palco de tortura e repressão durante o período em que os generais governaram o país, uma das páginas mais violentas da História Brasileira conhecida como “Anos de Chumbo”.

O navio aportou em Santos em 24 de abril de 1964, alguns dias após o Golpe, e começou a receber os primeiros presos acusados de subversão. A preocupação dos militares com a região, conhecida como “Barcelona brasileira”, era devida à grande quantidade de sindicalistas e lideranças de esquerda, e o navio serviria como solução imediata para conter possíveis opositores do regime.

Contando com 64 anos de uso na época e sem nenhuma condição de higiene (havia ratazanas, percevejos e pulgas), com celas improvisadas sem acesso a banheiros e nem camas, o navio Raul Soares recebeu dezenas de presos(as) políticos (todos trabalhadores e suspeitos de oposição ao golpe), que foram torturados durante mais de 180 dias em que a embarcação ficou na cidade.

Ditadura nunca mais!