Rodrigo Martins/#Santaportal

Por: Rodrigo Martins/#Santaportal

Paulo Alexandre mantém posição, mas abre possibilidade de reajuste para servidores no 2º semestre

SANTOS – Os servidores públicos de Santos seguem em greve, pleiteando aumento salarial. Mas o prefeito Paulo Alexandre Barbosa permanece irredutível e descarta a possibilidade de um reajuste, neste momento. Em entrevista exclusiva ao #Santaportal, o chefe do executivo santista contou que pretende deixar a hipótese de um aumento aos funcionários públicos apenas para o segundo semestre deste ano.

“Nesse momento não é possível fazer nada além do que já está sendo feito, que é pagar o salário em dia e oferecer o que está sendo apresentado aos servidores, (aumento) com relação ao auxílio-alimentação e a cesta básica. Os servidores tiveram ganho real em todos os últimos quatro anos. No entanto, a situação no momento não nos permite ir além. A nossa proposta é que esse tema seja discutido no segundo semestre”, afirmou Paulo Alexandre.

A categoria reivindica 8% de reposição de perdas com base na inflação. Por outro lado, a Administração diz que houve queda na arrecadação. Segundo o secretário de Governo, Rogério Santos, a diminuição em fevereiro foi na ordem de 17%. Em março, a queda teria sido em torno de 9%, o que teria inviabilizado qualquer reajuste.

O prefeito, entretanto, acredita em um cenário mais favorável a partir da metade do ano. “Com a evolução da arrecadação, juntamente com a melhora da economia nacional, a gente consiga apresentar uma proposta que seja de acordo com aquilo que o servidor merece”, comentou.

Ontem (13), a Prefeitura de Santos decidiu ingressar com uma ação na Justiça, visando garantir que 80% dos servidores – que pararam por tempo indeterminado – possam voltar ao trabalho nas áreas de Educação, Assistência Social e Saúde. Na segunda-feira (13), que foi o terceiro dia útil de paralisação, os funcionários públicos fizeram uma passeata , iniciada na Praça das Bandeiras, no Gonzaga. Os funcionários seguiram com a manifestação pela Avenida Ana Costa, sentido Centro.

Nesta segunda, no Ambulatório de Especialidades, só quem tinha consulta marcada foi atendido. Não houve agendamento de consulta e as informações eram desencontradas. Alguns funcionários pediam para os pacientes voltarem na quinta-feira (16), outros foram avisados para retornarem na segunda-feira (20). As demais unidades funcionam com quadro reduzido.

“O momento exige muita prudência e responsabilidade. Nós temos a maior crise econômica dos últimos 70 anos (no Brasil) e não é possível fazer despesa, sem ter receita. Se não há receita, não há como fazer despesa. Neste momento, a reivindicação dos servidores é inviável de ser atendida. É isso que nós estamos buscando mostrar aos servidores, agindo com muita responsabilidade. Vamos trabalhar para que os serviços essenciais para a população sejam garantidos”, disse Paulo Alexandre Barbosa, reforçando que a posição é necessária para tentar manter o equilíbrio das contas públicas.

Por fim, o chefe do executivo pediu a compreensão dos servidores para que a greve seja encerrada e assegurou que os munícipes terão o acesso aos serviços públicos garantidos. “O servidor pode esperar do governo aquilo que teve nos últimos quatro anos: valorização, aumento real, meritocracia com PDR, bonificação para os servidores públicos, além de estimular e valorizar o servidor, o que é muito importante. O que a gente pede é a compreensão dos servidores para ultrapassarmos esse momento que nós estamos enfrentando. Já a população pode esperar muita responsabilidade com o gasto do dinheiro público, até porque assistimos nos últimos anos o país gastar mais do que arrecadava, chegando na situação que se encontra. É isso que nós não vamos fazer. Teremos responsabilidade e prudência, com a determinação necessária para fazer valer os direitos da população santista”, concluiu.