Funcionários e médicos do Complexo da Zona Noroeste têm comprado água (Luigi Bongiovanni/AT)

Galões deixaram de ser entregues no dia 5; Administração diz que situação normaliza até terça (16)

Por MATHEUS MÜLLER (A Tribuna)

Há uma semana, parte dos funcionários das unidades da Prefeitura de Santos está enfrentando falta d’água nos postos de trabalho. O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Santos (Sindserv) já cobrou a questão do governo e foi informado que a situação seria resolvida até esta sexta-feira (12).

Durante toda a manhã, a situação persistiu em setores administrativos, cemitérios, unidades de saúde, entre outras, que são abastecidas apenas por galões de água. Os locais que dispõem de filtros não enfrentam o problema.

No Complexo Hospitalar da Zona Noroeste, por exemplo, a Reportagem constatou que não havia água. Funcionários e médicos têm comprado garrafas para o período da jornada de trabalho.

A tesoureira do Sindserv, Teresa Cristina, conta que o motivo do transtorno não está bem explicado. “O secretário-adjunto de Gestão, Renato Agostinho Fernandes, disse que deu um problema, mas não falou se era falta de pagamento”.

Ainda segundo ela, Fernandes informou ao sindicato que o contrato entre a Prefeitura e a empresa responsável por fornecer os galões é emergencial e válido até março. No entanto, segundo Teresa, ele não explicou o motivo do fornecedor passar nos locais retirando os galões, deixando de abastecer outros pontos.

A empresa venceu licitação no ano passado para abastecer as unidades e, após o término do contrato, um emergencial precisou ser firmado por três meses. “Esse processo ficaria emergencial até que estabelecessem uma licitação para um vigor maior”.

A sindicalista diz não entender como a Prefeitura esperou vencer um contrato para assinar outro de emergência com a mesma empresa. “Dizem que tem uma licitação aberta, mas não passaram o número”.

Filtros

Teresa informou ainda que cobrou de Fernandes uma mudança no fornecimento de água. “Poderiam investir dinheiro em filtros, que seriam mais econômicos. Mas eles dizem que fazem economia (com os galões)”

Resposta

De acordo com a Prefeitura, um novo contrato licitatório para fornecimento de água será homologado em fevereiro. Entretanto, desde dezembro, há um contrato emergencial de três meses em vigor para abastecimento das unidades.

Ainda conforme a Administração Municipal, o fornecimento já foi ajustado com a empresa contratada, e, desde quinta-feira (11), foram entregues 350 galões de água, priorizando locais que não contam com filtro ou bebedouro, como: PS da Zona Leste, PS Central, Samu, unidades básicas de saúde, Núcleo de Atenção Psicossocial (Naps), Banco do Brasil e Centro Administrativo.

Nesta sexta-feira (12), serão entregues mais 430 galões em equipamentos da Zona Noroeste, morros São Bento, Nova Cintra e do Centro. As entregas, conforme afirma a Prefeitura, serão normalizadas até terça-feira (16).